9 de jun de 2009

Rosa é uma rosa é uma rosa é uma rosa... - Quando Vênus adoece - parte três


Quando o significado de Vênus é completamente corrompido, o narcisismo se instala.

O narcisista é totalmente obcecado por si mesmo, num egocentrismo gigantesco que não deixa espaço para mais nada. Muito menos para o amor. Afinal, é impossível colocar mais Vênus numa vida que já está transbordando de questões venusianas, certo?

E quando digo que não há espaço para o amor, eu estou falando inclusive do amor-próprio. Porque não se engane, o narcisista não ama a ninguém, nem a si mesmo.

Aquelas horas intermináveis diante do espelho escondem uma profunda insegurança.

A incapacidade de pensar em outra pessoa ou outra coisa além de si mesmo revelam um profundo desequilíbrio emocional.

Quando o espelho se torna o referencial maior na sua vida, algo está faltando.

E o que está faltando é, por incrível que pareça, Vênus.

Falta uma compreensão maior do que realmente tem valor na vida. Falta auto-estima. Falta valorizar o amor que você recebe (e nem percebe, porque só enxerga o espelho). Falta perceber a beleza que existe ao seu redor.

Quando Vênus adoece, a primeira coisa que desaparece é... Vênus. E uma vida sem Vênus é tudo, menos agradável.

Como recuperar a sanidade perdida? Como em qualquer problema emocional, o primeiro passo é reconhecer que existe um problema. Enquanto a pessoa não for capaz de perceber sua dor, o alívio é impossível.

Reconhecido o problema, cada indivíduo reage de uma maneira diferente. Alguns necessitam de auxílio terapêutico, outros de terapia associada à medicação para combater a ansiedade, e talvez casos mais severos necessitem de internação.

Após a terapia, o melhor remédio é exercitar, aos poucos, as virtudes atrofiadas de Vênus. Lembre-se, o semelhante cura o semelhante. Se o problema está em Vênus, a solução também.

Então, passo a passo, que tal reaprender a amar?

Como?

Sendo amoroso. Dedicando um pouco de seu tempo a fazer alguém feliz. Levando conforto a alguém. Fazendo algo que torne a vida de alguém mais bonita.

E, aos poucos, à medida que você conseguir recuperar o verdadeiro sentido de Vênus, talvez você consiga dar o próximo passo e atingir a compaixão de Netuno, que é a oitava superior de Vênus.

E então, só então, você vai descobrir o significado da palavra "beleza".


Título: referência ao poema Sacred Emily, de Gertrude Stein.
---------------
Você quer fazer seu mapa astral? Preencha e envie o formulário "Fale com Mara", no alto da coluna à direita, solicitando maiores informações.

8 comentários:

Carol disse...

Oi Mara!

Não sei o que dizer mais! Fico sem palavras...
Muito obrigada!!

Mara disse...

Oi, Carol, obrigada pela força! Espero que estes textos consigam tocar as pessoas. É hora de deixar a luz entrar...

marli disse...

Aí está a Venus poderosa e cruel. Quando a beleza se torna o centro da vida, ela deixa de ser beleza. Torna-se um mundo solitário e escuro e como um buraco negro, devora tudo a sua volta, ou seja a verdadeira beleza. Maravilhoso seu texto de hoje....

Mara disse...

Marli, obrigada. Você descreveu muito bem o que ocorre quando a essência de Vênus é corrompida, é um cenário muito triste.

Marília disse...

Oi Mara! Vim visitar seu blog por recomendação da Marli. Achei ótimo esse texto e olhei um pouco para dentro. Gostei muito do seu blog e adicionei aos meus favoritos.
Um grande abraço, Marília.

Mara disse...

Oi, Marília, seja bem vinda! Obrigada pela força!

Rachel Hatatue disse...

"Netuno, compaixão, oitava superior de vênus", adorei, super poético, parabéns.

Mara disse...

Obrigada, Rachel.